domingo, 19 de julio de 2009

"HACER UN MURO EN LA CIUDAD O PRENDERLE FUEGO, CÓMO QUIERE ESCRIBIR?", de Pablo Paredes Muñoz

FLAP SAO PAULO 2009

Existe uma poesia popular e uma poesia erudita oponíveis?

HACER UN MURO EN LA CIUDAD O PRENDERLE FUEGO, CÓMO QUIERE ESCRIBIR?

Por Pablo Paredes M.

La naturaleza ideológica del sustantivo salta en la cara tras escarbar un poco, en los adjetivos, en cambio, no hay nada que escarbar, pues llevan el nosotros y el los otros vandijkiano a flor de piel. Todo adjetivo lleva a su inverso de manera visible y automática. Ahí la frontera entre denotado y connotado suena a artimaña de semiólogo, nada más. Y es precisa, y paradójicamente, esta desfronterización la que permite la instalación del Muro entre la llamada Poesía Popular y la llamada Poesía Erudita. Estos conceptos, al ser incluidos como polos de un sistema de tensión, terminan por significarse el uno al otro, intercambiando sus propios significados inversos, que ya decíamos no están encriptados. Así, Poesía Popular termina significando Poesía Inculta y Poesía Erudita termina significando Poesía Impopular. El muro entonces, es el territorio posible para estos posibles lugares de creación poética.

En este territorio, no quedaría entonces más que decidir si escribir para la elite o escribir para la base. O digamos de otra forma -pues probablemente no todo escritor resuelve esto- en este territorio posible, la elite se abalanzará sobre algunos textos y el pueblo sobre otros, siendo los primeros de mayor calidad artística (otro concepto sospechoso) y siendo los últimos de mayor capacidad empática (ídem).

El análisis que aquí formulo, puede ser rápidamente catalogado de setentero, lo sé y me da más risa que susto. Sé que se le puede vestir con lana y cotelé y desacreditarlo bajo el argumento de anacronismo, pero semejante maniobra, me parece, no responde más que a los tiros de los arqueros que protegen ese muro lanzando flechas hacia ambos lados. Una extraña defensa, pero inteligente. Algo así como los francotiradores de Miraflores, Caracas, disparando a Bolivarianos y a la oposición para así intentar justificar el golpe militar del 2002. Como vemos los defensores del Neoliberalismo se mueven de manera muy similar tanto en el terreno simbólico como en el corporal.

En Chile, la frontera entre la poesía erudita y popular, circula por dos campos. Primero ha aislado a la Décima del Verso Libre y viceversa. Aunque en esto también hay responsabilidad de los propios decimistas, que por momentos presentan actitudes y escrituras que construyen ghettos, sin duda, la responsabilidad mayor es de la Academia que sigue el desarrollo de “La Poesía Chilena” obviando sistemáticamente a la décima. El segundo campo de acción tiene que ver con el levantamiento o pretensión de levantamiento de un muro entre una poesía capaz de dialogar con la urgencia (que no siempre significa coyuntura) y otra que omnibulada por un débil y, desde mi punto de vista, erróneo discurso de trascendencia se mueve -cree ella- fuera del engranaje de la sociedad contemporánea. Digo “cree ella”, pues sin duda esa poesía, termina trabajando para los “resignados” y “acomodados”, eslabones inmediatamente inferiores a los administradores del poder Político/Simbólico. Diremos, entonces, que esta diferenciación entre lo Erudito y lo Popular plantea una oposición de conceptos que contribuye a legitimar, desde el campo de lo simbólico, a una sociedad de Clases. O aplicando a la situación Chilena, probablemente muy similar a la brasilera, se avala el desarrollo de una sociedad Neoliberal, culturalmente desarrollada bajo el binomio snob/galuchero. Es decir, estar presionados a escribir como el más ripioso y seco poeta formado en la Academia o ser el letrista del “amoroso” Lucho Jara.[1]

Intento hacer un mapa, pero mi cartografía hace aguas, pues la posibilidad de ser bombardeado o autotorpedearse, es evidente, muchos flancos quedan abiertos, lo que viene bien para el debate de esta mesa. Por ejemplo, hemos hablado del concepto de la Poesía Popular, sin preguntarnos si esta poesía, puesta en oposición a la llamada Erudita, goza de “popularidad”. Aquí las respuestas tenderán a decir que ya nada tienen que ver los pueblos, esos que aún se dejan ver en toda su magnitud cuando acechan un aeropuerto esperando la vuelta de su presidente constitucional, con cualquier lírica que no venga de MTV o sus alrededores. Pero hay una poesía que comienza a regresar, claro de manera lenta, pues este regreso no significa asumir alguna de las dos posibilidades que ofrece el neoliberalismo simbólico, sino que construye una nueva posición que encuentros como este en San Pablo, el Vértigo de los Aires en México, el Poquita Fe en Chile, el encuentro del Alba en Venezuela o el Salida al Mar en Argentina, sin duda dan cuenta. Me parece que hay una poesía que antes pensó que la solución era bajarse del Olimpo y algunos, conservadores o suspicaces, reaccionaron subiendo aún más el Olimpo. Pero me parece también que hoy hay un poesía en Latinoamérica dispuesta a construir un Olimpo acá abajo e incendiarlo para bailar entre las llamas. Unos siguen construyendo muros, otros levantan ciudades en llamas, me parece que de eso se trata finalmente.


[1] Cantante y animador de la Televisión Chilena.





jueves, 16 de julio de 2009

"A educação dos cívicos sentidos", de Ricardo Domeneck

video

"Work in progress": Ricardo Domeneck: "A educação dos cívicos sentidos", 2009. Trabajo creado para ser presentado en la apertura da FLAP 2009. Casa das Rosas, 7 de julio de 2009. Mesa con los poetas Alfredo Fressia (Uruguay) y Paulo Ferraz (Brasil). Organización de Rafael Daud.

Este es el texto que Domeneck recita en el video:

A os vinte anos da queda do muro, a oportunidade de meditar sobre dualismos que ainda imperam? Num momento que se gaba de suas multiplicidades? Essa queda marca a ascensão do Império sob o qual nos movimentamos hoje? Opera esse Império através da língua do poema de Yeats? "On being asked for a war poem"? O poeta que escreveu "I think it better that in times like these / A poet keep his mouth shut" é o mesmo que escreveu "Easter, 1916"? Ou este poeta acreditava que a política pertence aos políticos, não aos poetas, e por isso se fez senador? O papel do poeta seria mesmo o de emocionar moçoilas e consolar velhinhos? O silêncio proposto por Yeats é o mesmo de Clarice Lispector que, em lhe sendo pedido o papel do escritor brasileiro, respondeu: "falar o menos possível"? O silêncio dos dois equipara-se ao de George Oppen? Aquele que parecia também crer que poesia e política são incompatíveis? É isso o que dizia a personagem de Glauber Rocha em Terra em Transe? A poesia e a política são demais para um único ser humano? É por isso que Oppen abandona a poesia por vinte anos para dedicar-se ao ativismo político? Ninguém aqui, além de nós, as galinhas? O poeta está ofendido? O poeta é inofensivo? Você teria coragem de dizer isso a Ossip Mandelshtam, que morreu na Sibéria por causa de um poema? Você é pós-utópico? Se o é, você é também trans-histórico? Que dia é hoje no seu poema? Você também acredita que a vanguarda foi apenas um afrodisíaco para a tradição? Escrever sonetos ou concretos tem implicações políticas? Política é conteúdo ou política é forma? Essa pergunta é a mesma se mudarmos o substantivo "política" pelo substantivo "poética"? Talvez a ética da escrita configure-se nesta resposta? Mais radical o silêncio ativista de George Oppen ou o ativismo em voz alta de Ulrike Meinhof? Também te perturba imaginar esta escritora pacifista tornando-se uma das líderes da Facção do Exército Vermelho? O que leva um poeta a decidir que palavras não bastam? O que leva uns a recorrerem a poemas (como Murilo Mendes), uns ao Senado (como W.B. Yeats), outros à organização de greves (como George Oppen) e outros ainda à luta armada (como Ulrike Meinhof)? A poesia silencia diante do mundo dos eventos? Poesia pura é ativismo e resistência? O que diabos queria dizer Adorno com a impossibilidade de escrever poesia após Auschwitz? Você esteve em Búzios hoje? Você já saqueou Celan esta semana? Insistir na inutilidade da poesia como única forma de resistência? Poesia resistência? A negação do caos presente pela nostalgia da Idade de Ouro de um passado mitificado? Ou a negação do caos presente pela invocação da parúsia, da revolução? Resistência pela negação e não-participação, como queria Theodor Adorno no ensaio “Lírica e sociedade”? Lorca foi mesmo assassinado como poeta lírico, ou foi o dramaturgo dissidente e inimigo dos valores de direita que os fascistas precisaram silenciar? Há diferença entre o Lorca doRomanceiro Gitano e o Lorca de A Casa de Bernarda Alba? Você simpatiza com a revolução? Você está sendo filmado? Você já confundiu o espaço público com seu espaço privado hoje? Vladimir Maiakóvski encontra Ezra Pound contra a usura? Oh 1930s, with Usura hath no man a house of good stone? Oh 1960s, with Capitalism hath no man a house? Oh 2000s, with Globalization hath no man a no? O que Ludwig Wittgenstein queria realmente dizer ao afirmar que ética e estética são uma só? Quando um poeta levanta-se da cama pela manhã, ele reencena diariamente o “salto participante” proposto por Décio Pignatari? À direita ou à esquerda, de que lado está o poeta, e isto define se é político ou não? Estava sendo político o cavalier Richard Lovelace ao escrever o poema lírico “To Althea, from Prison”? Como Tomás Antônio Gonzaga escrevendo a segunda parte de “Marília de Dirceu” na prisão? Ou são mais políticas as Cartas Chilenas? Oh Shelley, ninguém quer reconhecer tua legislação mundial? Quem inaugurou o poeta-Cassandra? “L`Albatros” himself, Baudelaire? Rimbaud, o desajustado? O adolescente loiro? O amante de Verlaine? O contrabandista de armas na África? É mais político oralizar estas perguntas ou publicá-las em escrita? Em que momento o poeta exila-se ou é expulso da República? Em que momento o poeta épico deixa de fundar a nação para fundi-la e findá-la? O planalto central do Brasil desce em escarpas abruptas? Você gostaria de ser o Maudsley dos nossos crimes nacionais? Te aborrece tudo quanto seja público? Você estampa teu miocárdio privado em cada muro público? Gregório de Matos entoando “Triste Bahia! Ó quão dessemelhante / Estás e estou do nosso antigo estado!”? Ou seu racismo na estrofe seguinte anula o ato? Tristan Tzara, Hans Arp e Hugo Ball entoando DADA em atas estavam uivando pela utopia ou destoando da distopia? A política do poeta está no questionamento formal? Ou seria melhor discutir os suportes para a poesia, como métodos de publicação e distribuição e financiamento? Tudo isso tem implicações, como querem os poetas da revista L=A=N=G=U=A=G=E? Onde te ocultas, precária síntese, penhor do meu sono, luz dormindo acesa na varanda? Poeta bom é poeta morto? Poeta bom é poeta universal? Ou mulher escreve como mulher, viado como viado, negro como negro, macho como macho? Você é um poeta aristocrático? Que ação nos é possível? Mas, ora, escrever poesia já não é ativismo e resistência? The poet cannot set a statesman right mas pode dificultar-lhe os abusos? Você já leu os jornais hoje? Você traduz "news that stays news" por "novidade que permanece novidade" ou "notícia que permanece notícia"? O caminho da sátira é o único para uma poesia abertamente política? Será tudo culpa do nosso vocabulário ou será tudo culpa de Kate Moss? Podemos aprender com a sutileza política de Machado de Assis e Clarice Lispector? Podemos parafrasear Lispector e dizer: eis que o poeta está feliz, pois finalmente desiludiu-se? Se vivemos um momento pós-utópico, tanto melhor? Vamos começar a escrever uma poesia pré-distópica?

viernes, 10 de julio de 2009

PROGRAMACION DEL FESTIVAL FLAP

PROGRAMAÇÃO

de 7 a 14 de julho de 2009

Dia 07 de julho, terça-feira

CASA DAS ROSAS

19 às 21h ABERTURA

Em lhe sendo pedido um poema de guerra, de W. B. Yeats

Com os poetas Alfredo Fressia e Paulo Ferraz


Dia 08 de julho, quarta-feira

CASA DAS ROSAS

14h MESA DE DEBATE 1- A poesia pode derrubar um muro, ou “have we no gift to set a statesman right”? com:

  • Annita Costa Malufe
  • Dirceu Villa
  • Amalia Gieschen

16h PALESTRA sobre poesia concreta com Frederico Barbosa

18h LEITURA com os convidados

  • Amalia Gieschen
  • Valeria Meiller


LIVRARIA CULTURA SHOPP. BOURBON

18h LEITURA e SESSÃO DE AUTÓGRAFOS com Annita Costa Malufe, Dirceu Villa e Fábio Aristimunho Vargas


20h PASSEATA poética da Casa das Rosas até o ESPAÇO ZERO CULTURAL para Sarau noturno


Dia 09 de julho, quinta-feira

MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA

12h Visita ao museu – inscrições pelo e-mail flapsp2009(arroba)gmail.com

14h MESA DE DEBATE 2- A pena está entre a cruz e a espada, com:

  • Fábio Aristimunho Vargas
  • Luci Collin
  • Ámbar Past
  • Paulo Ferraz

16h LEITURA com os convidados:

  • Simone Brantes
  • Fabiana Faleiros
  • Fábio Aristimunho Vargas
  • Luci Collin
  • Paulo Ferraz


Dia 10 de julho, sexta-feira

CASA DAS ROSAS

14h MESA DE DEBATE 3- Existe um muro entre a poesia e as outras linguagens? A poesia está encastelada no livro ou na palavra? com:

  • Ana Rüsche
  • Dirceu Villa
  • Alejandro Mendez

16h LEITURA com os convidados:

  • Annita Costa Malufe
  • Ana Rüsche
  • Dirceu Villa
  • Alejandro Mendez


Dia 11 de julho, sábado

ESPAÇO SATYROS DOIS

15h LEITURA com as poetas Ana Rüsche, Camila do Valle, Diego Ramirez e outros poetas convidados


LIVRARIA CULTURA SHOPP. VILLA-LOBOS

18h LANÇAMENTO: Cámbio Climático: Panorama de la joven poesía boliviana e LEITURA com a poeta Jessica Freudenthal


Dia 12 de julho, domingo

CASA DAS ROSAS

10h-16h OFICINAS DE CRIAÇÃO com ALEJANDRO MENDEZ e DIEGO RAMIREZ, salas 1 e 2

inscrições pelo e-mail flapsp2009(arroba)gmail.com

17h LEITURA ABERTA e apresentação dos trabalhos das oficinas


LIVRARIA CULTURA SHOPP. MARKET-PLACE

15h LEITURA e SESSÃO DE AUTÓGRAFOS com as poetas Amalia Gieschen, Ámbar Past e Simone Brantes (a confirmar)


Dia 13 de julho, segunda-feira

FÁBRICA DE CRIATIVIDADE

16h MESA DE DEBATE 4- Existe uma poesia popular e uma poesia erudita oponíveis? com:

  • Camila do Valle
  • Pablo Paredes
  • Balam Rodrigo (a confirmar)

18h LEITURA com os convidados:

  • Camila do Valle
  • Pablo Paredes
  • Balam Rodrigo (a confirmar)

20h SARAU no BAR do BINHO


Dia 14 de julho, terça-feira

CASA DAS ROSAS

18h MESA DE DEBATE 5- Que elementos fazem a poesia mais própria para derrubar um muro? com:

  • Jessica Freudenthal
  • Diego Ramirez
  • Valeria Meiller

20h LEITURA com os três convidados da mesa

21h ENCERRAMENTO


MESA DE LIVROS E EDITORAS NA CASA DAS ROSAS DURANTE TODOS OS DIAS DO EVENTO


ENDEREÇOS:

Casa das Rosas

Av. Paulista, 37 – Bela Vista

Fone: 3285-6986/ 3288-9447

Fábrica de Criatividade

R. Dr. Luís da Fonseca Galvão, 248 – Capão Redondo

Fone: 5511-0055

Museu da Língua Portuguesa

Praça da Luz, s/n. – Centro

Fone: 3326-0775

Espaço dos Satyros Dois

Praça Roosevelt, 134 – Centro

Fone: 3258-6345

Bar do Binho

Rua Avelino Lemos Junior, 60 – Campo Limpo

Espaço Zero

R. Goiás, 167 – Pacaembu

Fone: 3661-8658

Livraria Cultura

Shopping Villa-Lobos – Av. das Nações Unidas, 4.777 – Fone: 3024-3599

Shopping Market Place – Av. Dr. Chucri Zaidan, 902 – Fone: 3474-4033

Bourbon Shopping Pompéia – R. Turiaçú, 2.100 – Fone: 3868-5100